mercado_second-home_to_mm_0011 mercado_second-home_to_mm_0011

Conhecer os cantos
à Second Home

As cores fortes, as formas orgânicas, as muitas plantas e o ambiente informal do Second Home – um espaço de trabalho criativo e cultural nascido em Londres e que agora abriu no primeiro piso do Time Out Market -, são a prova do que aqui se cultiva: alegria e muita criatividade no trabalho. Fique a conhecer os cantos desta nova casa.

1. Lounge, Bar e biblioteca A máquina de café é sempre o local preferido para as reuniões informais num escritório, daí que a Second Home não tenha descurado este aspecto. Melhor ainda, colocou o bar/café mesmo no Lounge de entrada e equipou-o com uma máquina de café italiana que, dizem, faz os melhores flat whites da cidade. Juntar num mesmo espaço uma comunidade criativa, diversificada e ambiciosa e vê-la florescer é a grande bandeira desta aceleradora criativa londrina de várias indústrias criativas e não apenas de start-ups tecnológicas. A ideia fundadora é criar o ambiente de trabalho ideal para fazer crescer pessoas e negócios. E para isso todas as condições foram criadas. Nesta primeira zona do Second Home há um bar que serve refeições leves, cafés e vinhos portugueses, uma biblioteca “ondulada” com mais de dois mil livros em português e inglês com o selo da “Penguin Random House Books”, quatro salas de reunião insonorizadas e um espaço lounge com sofás que podem muito bem ser mesas de trabalho.

2. Working Space À primeira vista parece uma selva de plantas de onde e a qualquer momento parece poder surgir David Attenborough num dos seus programas de vida selvagem. São estas mais de mil plantas e árvores pousadas nas mesas e suspensas nas asnas que garantem a privacidade (alguma, que também não se quer muita) das mais de 200 pessoas que escolheram trabalhar neste open-space. À semelhança de Londres, este novo Second Home foi desenhado pelos arquitectos espanhóis Selgas Cano com características que reflectem toda uma nova filosofia criativa de trabalho. Não há postos de trabalho fixos, os membros podem e devem circular livremente. Não há linhas rectas, tudo é fluído e orgânico. As cores são quentes e fortes. E não existem paredes. Tudo para que as pessoas se cruzem, se encontrem e interajam umas com as outras, porque é destas conversas que podem surgir tantas boas colaborações e novos projectos. Dos 250 lugares iniciais já não sobram muitos e os nomes que já os ocupam falam por si: Faber Ventures, Home Lovers, EPIC surf school, Parfois, Latitid, entre tantas outras.

3. Espaço cultural e de bem-estar Poder mudar de ambiente ao longo de um dia de trabalho pode revelar-se muito produtivo. Aqui na Second Home, o dia pode começar nos sofás do lounge a ver os e-mails e a beber um flat white, continuar com uma reunião de equipa nas mesas redondas, prosseguir para o open-space entre as plantas iluminadas por candeeiros vintage e, no final do dia, regressar para a zona das mesas redondas com rodas que podem ser recolhidas e dar espaço a um rol de actividades (ioga, Pilates, concertos, palestras, etc.) que fazem parte do ADN da Second Home e das quais os membros podem usufruir.

A Second Home fica no primeiro piso do Time Out Market (Mercado da Ribeira). O acesso é reservado a membros. Mais informações em https://secondhome.io/lisboa.