marisqueira azul

Marisco fresco
e cerveja gelada

Depois de uns dias encerrada para renovação, a Marisqueira Azul voltou a abrir com uma novidade: com uma nova disposição e com mais lugares ao balcão, que é como quem diz, com mais lugares com vista para o melhor marisco da cidade. As alterações foram apenas no espaço, porque tudo o resto continua igual. Em equipa vencedora não se mexe. O aquário da Azul com 3,20 metros de largura, mais famoso do que um ecrã de televisão em dias de bola, continua a albergar lagostas, sapateiras e santolas, que daqui saem directas para a panela. “O melhor marisco é aquele que está vivo”, diz Manuel Aguiar, responsável pela Azul, que há quase 30 anos trabalha com marisco. Sabe distinguir um peixe do mar de um de aquacultura, só de olhar para ele. Tudo o que se serve nesta marisqueira passa pelo crivo de Manuel Aguiar e vem directamente do mar português. Os percebes são das Berlengas, o camarão e o lingueirão vêm do Algarve, as ostras são de Setúbal e as amêijoas são cozinhadas à bulhão pato. Para uma refeição geograficamente justa no que toca ao marisco, o ideal é optar pela mariscada Azul, que é uma espécie de best of.  Tem amêijoas, sapateira recheada, percebes, lingueirão, ostras, camarões e mexilhão e custa 79€. Na Azul, as novidades não vêm todas ao mesmo tempo. A juntar a esta montra de marisco fresquinho, a gerência promete que muito brevemente vai trazer também o peixe português para alegrar as suas refeições. É ficar atento. Enquanto esse dia não chega, é seguir a tradição e acompanhar uma grande mariscada com imperiais geladinhas e terminar a mariscada com a sobremesa: um prego do lombo.