Dez coisas para fazer este Outono no Mercado

Nem só de folhas caídas e temperaturas menos simpáticas, reza o Outono. Esta é a melhor estação do ano para fazer determinadas coisas. Ficam algumas ideias para aproveitar o melhor da estação no mercado.

Beber um copo de vinho na Odete com uma sandes de presunto

Até ao lavar dos cestos é vindima e depois da vindima é tempo de beber o vinho. E aqui neste bar de vinhos há muito para conhecer e por onde escolher – de Norte a Sul do país. Para acompanhar um copo de vinho agora é possível pedir um presunto pata negra fatiado à mão, na sandes ou na tábua.

Admirar as abóboras no mercado de frescos da Ribeira

É a época delas e o Mercado da Ribeira enche-se delas, de todos os tamanhos e feitios. Além de serem bonitas de ver, o melhor mesmo é pedir para levar uma para casa, inteira ou cortada na hora. E aproveite que está aqui e percorra as outras bancas de frescos, do peixe aos legumes, vai encontrar muita coisa.

Provar os novos pratos do chef Miguel Castro e Silva

Muda a estação e lá vem o chef Miguel Castro e Silva com novos pratos adaptados às novas temperaturas. É o caso deste delicioso “Lombelo de vitela em vinho tinto com puré de batata trufado” (11,80€) que acaba de aterrar no menu do seu espaço aqui no mercado, mas também da “Coxa de pato no forno com feijão branco” (12,80€,) um já clássico deste espaço, que começou por ser um prato do DeCastro, e que agora tem novo acompanhamento.

Assistir aos concertos do Be Live See Live

Depois de Valter Lobo e de Ganso na estreia em Setembro, há uma nova fornada de concertos Be Live See Live para ver e ouvir em Outubro, seja através da plataforma online, seja presencialmente no Estúdio Time Out. As bandas que se seguem são os Reis da República (26 de Outubro), Time for T (27 de Outubro), Zanibar Aliens (29 de Outubro) e Estraca (30 de Outubro). Mais informação em www.beliveseelive.com. Bilhetes: 10€ (Estraca 12€). À venda na Ticketline.

Provar os pratos do dia do chef Alexandre Silva

O chef do LOCO e do Fogo, acaba de introduzir uma novidade no seu restaurante do mercado. A partir de agora, todos os dias da semana há um prato do dia. A segunda-feira é dia de Arroz de polvo à Portuguesa, à terça é dia de “Hambúrguer de Boi, marmelada de cebola e Queijo da Ilha”, segue-se o “Bife de Atum, batata doce e molho de alho à quarta, na quinta-feira lugar a um dos pratos mais icónicos do chef, uma “Barriga de porco confitada com puré de ervilhas e Pak Choi. Na sexta há Risotto de Pato e laranja, no sábado há uma Tiborna de Porco Assado com molho oriental e vegetais. A semana fecha com um Bacalhau confitado com puré de grão e couves salteadas.

Sorver a “Fish Cakes Noodle Soup” do Asian lab

Além de carregadinhas de sabor, as sopas asiáticas valem normalmente como uma refeição completa. E é o caso desta sopa aromática de peixe que o chef Maurício Vale introduziu na carta do Asian Lab, que leva aipo e hibisco, bolinhos de peixe, massa de arroz e cebola frita. (8,50€)

Petiscar na Terra do Bacalhau

Desde Julho que o quiosque dos pastéis de bacalhau tem boa vizinhança, uma petiscaria que também pertence à Terra do Bacalhau. Neste novo espaço, como seria de esperar o bacalhau é o denominador comum a todos estes petiscos criados pelo chef Luís Gaspar. O ideal é pedir um pack com vários petiscos de bacalhau como a brandade ou o húmus de beterraba.

Provar o Atum da Cozinha da Felicidade

Não é um prato novo, mas é um daqueles pratos que dá sempre vontade de pedir na Cozinha da Felicidade, especialmente quando as temperaturas começam a descer. O atum do atlântico vem acompanhado de puré de batata doce aromatizado, manteiga de chalota e salsa (15,90€).

Trincar um croquete de Cozido

Se há rituais de Outono bons um deles é o dia de Cozido à Portuguesa em vários restaurantes da cidade. Pelo mercado, (ainda) não temos este clássico nacional, mas temos um croquete de Cozido à Portuguesa da Croqueteria que se come de uma só dentada.

Saborear o Pudim do Abade

Inspirado numa receita centenária, o Pudim do Abade é uma criação recente de Miguel Oliveira que pode ser apreciada à fatia ou em versão mini numa das bancas do mercado, mas que também pode ser levada inteira para partilhar num jantar de amigos ou família.